AmorÓdioSonhosVidaTrabalhoJogoAmizadeSexo

AmorÓdioSonhosVidaTrabalhoJogoAmizadeSexo

Você.

Eu.

Engraçado como algumas coisas aparecem nas nossas vidas e, se não nos tocarmos, chegamos a deixar isso de lado. Coincidências e sinais… sempre tive algum pé atrás com eles… não sei se acredito cegamente, mas não posso dizer que elas acontecem aleatoriamente. Acredito em sinais, não os entendo mas adoro um mistério – me atraí.

Daí que pensando e pensando, penso eu que acabamos voltando a um ponto central: nós mesmos. Acho que não percebemos que nossa vida e nossas vidas são ciclos e, querendo ou não, voltamos sempre pro começo. Nossa, cansativo não? [risos]

Após resumir tudo em um termo – nós mesmos – quero resumir a segunda parte (a qual deu origem ao post de fato): Romantismo.

Fui à capital para assistir o show novo do Coldplay: Viva La Vida Tour… do último álbum que, “por acaso”, leva uma pintura do Romantismo em sua capa.

No dia do show, logo após o almoço fui ao MASP. Aquela coisa toda de graça na terça-feira, embarquei em 2 andares de pinturas… do Romantismo.

Só pra por os pingos nos is… o Romantismo veio logo depois do Iluminismo, que como devem saber, graças A Lenda do Tesouro Perdido e Dan Brown, pregava muito a razão em tudo, o estudo e coisa e tal. O que melhor pra combater o movimento anterior? Ser contrário, lógico. Romantismo é aquela coisa… romântica. Mas não só amorosa de casal, né gente? Não me façam explicar que os livros são chamados de romance, mas talvez você não veja um happy couple.

Romantismo é aquela coisa de paixão, de vontade, de sentimentalismo, de subjetividade… de quem? De nós. Nós próprios, nossas vontades… foi quando os artistas pensaram mais em si mesmos e como viam o mundo e transportavam para as pinturas cenas que vão além da simples descrição, mas que tentam contar uma história. Daí, acredito eu, que deve ter surgido a expressão “uma imagem vale mais que mil palavras”. Por que se diz isso? Pode haver o melhor guia de museu ao seu lado, ele vai deixar de comentar algo que você mesmo interpretou, porque não é algo concreto e objetivo… é subjetivo. Por mais que você fale e tente explicar, você ainda sente aquele sentimento que faltou explicar e colocar alguns pontos. Porque não podemos nos limitar a apenas palavras, nós temos sentimentos explodindo e somos românticos com nós mesmos, somos patriotas não só da nossa nação, mas da nossa família e do nosso coração que às vezes perde para nosso cérebro. Se lutamos com nós mesmos, como poderemos ter paz no mundo? Americanos são tão pais da gestão empresarial mas não se dão conta que todos nós somos o defeito e a solução.

Meio complexo, não? Talvez tenha me perdido no meio… mas nada que uma boa cerveja não libere nossa mente. Não… não bebi nada… são dez da manhã e pretendo beber só amanhã.

Bom, vamos lá. Nós mesmos. Romantismo. Coldplay. Eugène Delacroix. Masp. Marc Chagall. Obras do entusiasmo.

Acho que posso por novamente: AmorÓdioSonhosVidaTrabalhoJogoAmizadeSexo.

Daí que ontem fui ao supermercado e me deparei com uma promoção de DVD. Mentira. Deparei-me com apenas uma capa de DVD enquanto passava pela área de eletrônica: Vanilla Sky. Gente, eu acho muita coincidência. E eu adoro esse filme, fui obrigado a comprar. São muitas relações e ligações. E o que resume a vida do filme? É a pergunta “O que é felicidade pra você?“… você. Eu.

Alguém aí sabe onde posso ir no sábado?

I never took the time to stop and realize that death takes many forms even while alive
It’s difficult to say goodbye after only one life
The rain will fall down replenishing all of our broken dreams and this burning tree that’s withering will bloom again… would you believe?

Anúncios

About this entry